ABCedário íntimo para uso público (20)

Por Thiago de Mello

S de Samuel Benchimol,

cientista social amazonense apaixonado pelo Amazonas. Autor de uma obra notável, infelizmente tão pouco divulgada por motivos editoriais, publicou o seu primeiro livro aos vinte anos, “O Cearense na Amazônia”. Recém-formado em Direito, pela Faculdade do Amazonas, parte como bolsista para os Estados Unidos, de onde regressa com sua tese de mestrado: “Manaus, o crescimento de uma cidade no vale amazônico”. Hoje Samuel é dono de uma obra invejável: trinta livros, todos sobre o Amazonas. De todos os trabalhos deste nosso contemporâneo do Ginásio, o mais importante, e não só a meu juízo, é o “Amazônia, um pouco antes e além depois”, verdadeiro compêndio de consulta permanente.

Alguns amazonenses (quero me dizer entre eles) frequentemente divergem ideologicamente de Samuel e de certos aspectos de sua interpretação da história. É natural, e é até saudável, quando honesto, o exercício do questionamento capaz da superação de divergências. Mas há também aqueles (que jamais eu me inclua no rol) cujo sectarismo, enfermidade que cega, se empenha, já verão que inutilmente, em negar as virtudes deste homem de ciência que soube ganhar dinheiro (não vejo nisso especial proeza quando prevalecem as leis de cão do sistema capitalista selvagem), mas que sabe e gosta de gastá-lo em benefício do estudo da realidade amazônica, no qual o Samuel põe um amor que se encontra em muito poucos de nós.

Durante a organização do material para este livro, decidi cutucar-lhe a memória com o intuito de obter alguma informação de fonte séria sobre a migração judaica para o Amazonas. Custamos a chegar ao tema, porque Benchimol começou a relembrar episódios do período em estudo, que é justamente o dos começos de sua formação. Ele concorda com a volta ou com a vinda das famílias do interior como fator da recuperação da amazonidade do nosso povo, no período 30/40.

– Isso ocorreu com muitos – opina Samuel. Comigo mesmo, que voltamos lá do nosso querido Abunã, em Rondônia, fronteira com a Bolívia, onde meu pai tinha um seringal e lá teve dois filhos. Passou-se o mesmo com os Menezes, o Aderson, os irmãos, vindos de Parintins; com o Coriolano Lindoso, o José, vindos de Manicoré; com o Plínio Coelho, cuja família veio de Humaitá; com o Aderson Dutra, vindo de Barreirinha; com os Garcia, vindos do lado do Saracá, de Silves; com o Vasconcelos Dias, vindo de Itacoatiara, com o poeta Tufic, que veio lá do Acre, com o Elson Farias. Toda essa geração, que estudava no Ginásio ou no Dom Bosco, foi uma geração essencialmente cabocla; ou etnicamente cabocla ou culturalmente cabocla, marcada por um grande amor à sua terra.

Samuel recorda com indisfarçável emoção os seus tempos de Ginásio, cujo curso, feito sob a direção de Carlos Mesquita, concluiu em 37, justamente o ano em que me iniciava como ginasiano. Faz questão de ressaltar a amizade que unia um bom grupo de colegas, muito pobres mas muito unidos no gosto pelo estudo, sem embargo da diferença de idéia e concepção que de vez em quando os situavam em campos opostos: e era quando, em vez de afastamento, a discussão ganhava mais corpo e terminava por uni-los ainda mais. Regressam-lhe à memória as figuras jovens de Arthur Pucu, José Ivan de Hugo e Silva, Coriolano e José Lindoso, Salignac de Souza, Jauari Marinho, Francisco Alves dos Santos, Agnello Bittencourt Filho, Moysés Israel, Hamilton Cidade de Araujo, Plinio Coelho.

– Pobres, nós ajudávamos uns aos outros, através de uma espécie de biblioteca circulante. Até que um dia – relembra Samuel com os olhos iluminados – o professor Agnello Bittencourt, mestre cuja memória perdura em nós como um grande exemplo, colocou sua riquíssima biblioteca à disposição de seus alunos, que éramos recebidos como filhos na sua casa da Dr. Moreira. A propósito, quero te chamar a atenção para um fato raramente lembrado: foi o professor Agnello que teve, no seu livro “A Terra e o Espaço Amazonense”, a premonição do petróleo no rio Juruá.

Como o petróleo e o gás lá do Juruá são matéria da grande inquietação atual de Samuel, tema por sinal de um livro seu que, sempre mal distribuído, acaba de ser editado em Manaus, tenho que achar caminho delicado para trazê-lo de retorno às décadas de nossa juventude. Ele retorna com uma contribuição importante:

– Aquele período que tu chamas de reconquista de amazonidade, que implicava a preocupação de valorizar e estudar as coisas da terra, numa espécie de volta às origens, acabou por dar origem ao movimento do Glebarismo. Carlos Mesquita era glebário. Ramayama de Chevalier (O Circo sem Teto da Amazônia), Alvaro Maia, Genesino Braga, Aldo Moraes – eram glebários. A palavra gleba era pronunciada com unção, reflexo do empenho no estudo das coisas da terra, sustentado pela preservação de nossos valores culturais, sobretudo pelos adeptos do movimento vindos do interior.

Àquela época, concluído o curso ginasial, iniciavam-se os estudos preparatórios dos cursos universitários. O Ginásio mantinha os cursos pré-jurídico, pré-politécnico e pré-médico, com duração de dois anos. Em 1940 esses cursos foram extintos pelo MEC. Foi quando a direção do Dom Bosco, em gesto que até hoje conta com o reconhecimento de juristas, magistrados e mestres em Direito no Amazonas, decidiu instituir o curso pré-jurídico, preparatório do vestibular, prestado aqui na nossa nobre Faculdade e de cujo exame constavam as seguintes matérias: História da Literatura, Filosofia, Latim, Português, Geografia, História e Biologia, em provas escritas e orais.

Convém deixar aqui um registro, desses em aparência insignificantes, que costumam cair no esquecimento: para manter o curso pré-jurídico, o Colégio Dom Bosco, então dirigido pelo Padre Stelio, apesar da boa renda que lhe advinha dos cursos frequentados por gente em geral baluda, em regime de externato e internato, começou a enfrentar aperturas financeiras. Como os costumes e os valores do tempo eram outros, prontamente mestres já de boa nomeada dispuseram-se a ensinar gratuitamente. Entre outros, Mario Jorge Couto Lopes, Arthur Reis, Leopoldo Peres.

Samuel interrompe a amena conversa que foi assumindo forma de entrevista, entremeada de relembranças em voz alta, para atender a um telefonema num dos vários aparelhos eletronicamente controlados sobre sua principal mesa de chefe de empresa, onde se envolve com números de muitas cifras e toma decisões cujas implicações talvez nem ele próprio domine completamente. Sozinho com ele na vasta e sóbria sala, não pude me impedir de captar alguns lances do diálogo telefônico que versava sobre guias de exportações e outras prendas de papel, de permeio às quais os milhões apareciam, numerosos como as estrelas de cidade poluída, como os detalhes menos importantes da questão.

Perspicaz como ele só e, em reação a meu pedido de concluirmos nosso trabalho sem interrupção, chamou a eficientíssima secretária, filha por sinal de um japonês radicado em Barreirinha, e ordenou que não nos perturbassem. E retornou a conversa bem a propósito do telefonema:

– Virei empresário por acidente. Fiz todo o meu curso de Direito como despachante de bagagem da antiga Panar do Brasil. Acordava todos os dias às duas da madrugada e trabalhava no aeroporto até as sete da manhã. Antes, já aos 15 anos, eu trabalhava ensinando Português na Escola Ruy Barbosa, do Hamilton Cabral, depois na Escola do professor Vicente Blanco ali na Miranda Leão, junto com o poeta Áureo Mello.

Só então é que o Samuel entrou na matéria do meu interesse maior, começando pelas andanças do velho Benchimol.

– O velho nasceu em Aveiros, no Tapajós. Imagina que o avô era o correspondente do Times em Itaituba. Veio para o Amazonas aí por 1910 e foi logo para o interior, lá para o Abunan. Trabalhou como regatão e com a borracha. No ano 20 perdeu tudo, ficou na mais extrema miséria. Foi com toda a família para o Abunan, só voltou em 1931. A minha mãe era de Tefé, a avó, judia portuguesa, casada com o Siqueira, piloto fluvial. Aqui em Manaus, o meu pai começou a trabalhar como guarda-livros de várias firmas. Foi quando conhecemos a família do professor Agnello. Dona Zulmira e minha mãe tiveram o mesmo números de filhos: oito. O velho era sócio do Otavio Reis num seringal. Quando faliu, entregou tudo o que tinha ao J.G., as casas, as terras, tudo. Porque ele era financiado pelo J.G., embora legalmente ele não estivesse obrigado a entregar. Mas ao cabo de vinte anos acabou pagando tudo o que devia ao seu financiador, depois de trabalhar incansavelmente nos livros das firmas Sarfaty, José Tadros, Roberto Daou, Oliveira Barbosa, Solon Benemon, enfim, ele tinha umas dez ou doze escritas. Uma noite o velho Benchimol reuniu os filhos e teve com eles uma conversa que não demorou: “Só tem uma solução para sairmos da pobreza: é vocês estudarem. Todos vocês vão se formar”. Disse e cumpriu: educou os oito filhos, a todos deu curso superior.

Antes de empresário, sociólogo e professor universitário, Samuca quis tentar a política, que, como antes, continuou a ser, para a maioria dos que a escolhem como carreira, um simples meio de vida. Mas se deu mal, ainda que bem. Era o tempo dos tuxauas Álvaro Maia e Severiano Nunes. Samuel era do PSD, mas como não lhe sobrou vaga, concorreu pela UDN, qual a diferença que fazia? Teve oitenta votos.

Resumo os dados que me deu o Samuel sobre os seus irmãos judeus no Amazonas:

– A presença de amazonenses de origem judaica naquele período foi marcante. Portugueses judeus, originários de Tanger e Marrocos, chegaram (talvez expulsos, não se sabe bem, pelo sultão de Marrocos) e foram se implantar no interior. Todos. Ninguém ficou em Manaus nem em Belém. Os Sabbá são a família judaica mais antiga da Amazônia, estabeleceu-se em Cametá aí por 1820. A família Serruya foi para Santarém. Os Benchimol foram para Santarém e Itaituba. Os Assayag para Parintins. Os Siqueira para Tefé. Os Peres para Itacoatiara, um deles, o Isaac, foi o grande prefeito que o município já teve. Os Ezaguys também foram para lá. Os Benzecry escolheram Cametá. Todos, enfim, foram viver e trabalhar no interior. Foi uma migração rural e sobretudo familiar. Todos chegaram com as famílias. Primeiro foram ser regatões. Depois, seringalistas. Na época da decadência, todos perderam praticamente tudo. A maioria foi à falência. Só então é que vieram para Manaus.

Na chamada grande depressão, ingleses, alemães e muitos portugueses que aqui tinham comércio, emigraram. Pouquíssimos os que permaneceram. Os judeus ficaram – para recomeçar. Ou como empregados de comércio, ou com pequeninas indústrias. Foi por essa ocasião que se fizeram exportadores e os primeiros a industrializar os produtos nativos: borracha, castanha, pau-rosa, piaçava, cumaru; processavam, descascavam, lavavam, beneficiavam. O I.B. Sabbá foi o primeiro lavador de borracha. Depois teve serrarias, como a da rua Isabel, e a Usina Vitória, no antigo Monte Cristo. Os Benzecry foram curtidores de couro, no curtume canadense ali na Casa Branca, no Rio Negro. O Sabbá partiu para a industrialização da essência do pau-rosa, de fibras nativas e da juta. Depois é que veio a aliança com o Adalberto Vale. Mas foi o Sabbá o verdadeiro pioneiro da industrialização, até chegar, mas isso já na década de 50, à refinaria de petróleo. O grande aliado, o grande cérebro do Sabbá foi o Moysés Israel, sobrinho dele.

S de Sebastião Bogea Saint-Clair, o Saint-Clair funcionário das Águas daqueles bons tempos e depois diretor de um daqueles vários Institutos de Aposentadoria. Até hoje me oponho com vigor a quem diz, relembrando as suas admiráveis tiradas, hoje incorporadas ao folclore da cidade, que o Saint-Clair era um mentiroso, que tinha o fraco de contar mentiras. Absolutamente. O Saint-Clair foi simplesmente um notável inventador de histórias, um extraordinário mitômano, dotado do talento de compor, ali na hora, em cima da circunstância, a propósito de um episódio, acontecimento público, ou de algum fato narrado em roda de amigos, uma história urdida com minúcias, com seguimento lógico, embora, é verdade, não fosse ele um criador, preferindo fugir sempre ao senso comum, às fronteiras das convenções, e enveredar, ajudado pela voz grave e forte que assegurava veracidade ao que dizia, pelo seu campo predileto, o da realidade mágica.

Tinha fome de fantasia, que era o seu pão de cada dia. Mal acordava, antes mesmo de tomar o bonde para o trabalho, ia ao vizinho ou ao taverneiro, contar uma história quem sabe fabricada em sonho, talvez instantaneamente ocorrida pela visão primeira de seus olhos mal abertos. O espaço não dá para uma antologia, mas vale a pena registrar a sua chegada a Manaus, num dos hidroaviões do Loide Aéreo, e mal desembarcou foi logo contando com o seu vozeirão que o avião voara tão alto, mas tão alto, que a certo instante começaram a ouvir-se vozes, eram muitas vozes cantando, cantando, era uma maravilha, eram os anjos cantando Ave, ave, ave Maria, lá bem juntinho do céu.

Houve uma ocasião em que uma falha nas máquinas do bombeamento da Ponta do Ismael deixou a cidade sem água. O Saint-Clair publicamente defendia os serviços das Águas: “Não temos culpa que uma sucuriju descomunal tenha penetrado pelo cano mais grosso e entupido completamente a bomba”. Meu pai costumava, mais por troça que por implicância, moderar os ímpetos inventivos do seu amigo, correto e digno em todos os demais aspectos de sua vida. Quando o mitômano chegava à repartição espalhando a notícia de que acabara de ver no mercado um tambaqui de mais de seis metros, meu pai se limitava a uma advertência: “Deixa por menos, Saint-Clair”. E o amigo cedia, reduzia o tamanho do peixe.

Uma vez houve, todavia, que o Saint-Clair não transigiu, nem deixou por menos, quando um domingo de manhã ele contava para uma roda de amigos (era um tempo de muita saúva estraçalhando as roseiras dos jardins) que, ao acordar, foi descer da rede e viu que o chão estava completamente recoberto de saúvas, era como um tapete que estremecia brilhando, de mais de um palmo de altura de saúvas avermelhadas. Meu pai se aproximou a tempo de pegar o final do relato e limitou-se à advertência habitual: “Deixa por menos, Saint-Clair. Um palmo de saúva já é demais”. “Está bem, Thiago, eu deixo por meio palmo. Mas por menos de meio palmo, não deixo, então é melhor logo que não tenha saúva nenhuma, nem vale a pena que tenha.”

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here