Os Falsos Importados

Por Tárik de Souza

O mercado do disco no Brasil está sendo invadido por fantasmas bem-sucedidos que enriquecem sobretudo as gravadoras. Escondidos por detrás de pseudônimos, autores e cantores brasileiros são vendidos como produtos estrangeiros. Por quê? Vamos destrinchar essa história.

Era uma tarefa jornalística simples. Conseguir na representante nacional, a gravadora carioca Top Tape, dados biográficos sobre o astro importado Dave MacLean, primeiro colocado nas pesquisas da Nopem no Rio e em São Paulo com o compacto “Me and You”. Mas, estranho, nada sabem informar na Top Tape.

Em geral os press releases (material de propaganda para a imprensa) são escritos antes do lançamento dos discos, mas o do artista mais vendido da gravadora “ainda não ficou pronto”. Qual o país de MacLean? Quantos discos vendeu antes? Quando começou a gravar?

Um nebuloso silêncio responde a todas essas perguntas, seguido pela cabalística explicação de que se trata de um original de uma certa Blue Rock Records, aliás a única pista mais sólida registrada na contracapa e no selo do elepê, “Me and You”, do mesmo Maclean: P.1973 Blue Rock Records.

Na editora Copa Musical, filiada à Top Tape, aumenta o enigma. Assombrado com o interesse por MacLean, o funcionário José Gomes redobra as atenções com a reportagem, tirando copiosa xerox da letra em inglês, um dos quais do próprio registro autoral. Cuida, porém, de cortar parte importante do carimbo e das assinaturas que talvez motivassem perguntas embaraçosas.

Gomes, magro e inquieto, encontra mais um atestado da importação da Top Tape, exibindo a letra em português de “Eu e Você”, versão do esperto Rossini Pinto: “ Não há ninguém igual a você / o nosso amor não vai acabar / oh, oh, oh / que vou fazer tão sozinho assim?”.

Embora nada prove quanto à identidade e procedência do original, “Eu e Você” pelo menos demonstra a que nível de rapidez chegaram os mecanismos da indústria do disco nacional: a versão é editada antes mesmo que o artista seja divulgado pela imprensa.

Com a sensação do dever incompleto e um gosto amargo de inexperiência na boca pelo seu fracasso numa tarefa em princípio tão prosaica, o repórter dirige-se por fim ao estúdio Hawai, onde a mesma Top Tape grava seus contratados brasileiros.

Wiliam Luna, diretor da empresa, também nada sabe de MacLean, mas um de seus funcionários, seu Domingos, prontifica-se a ligar para a sua loja de discos no subúrbio do Meyer, em busca de maiores indícios do mistério.

De repente, outro funcionário da Hawaii encerra as investigações com uma pista definitiva: “Esse cara é paulista, deve ter gravado nos estúdios lá em São Paulo”.

Domingos já havia acrescentado a desculpa de que a Hawai cobra 350 cruzeiros a hora e não se interessa pelo material gravado. Mas quem se interessa: Há dois anos e em volume cada vez maior, o mercado brasileiro começou a ser assolado por esses fantasmas internacionais, o primeiro deles o cantor anglo-paulista Terry Winter.

Enquanto estourava nas paradas de sucesso com seu eficiente “Summer Holliday”, num estilo que lembrava velhas gravações de Nat King Cole, Winter, o filho de ingleses Thomas William Stamden descansava tranquilamente na sua casa em Vila Mariana, subúrbio paulista e antigo território eleitoral do ex-político Jânio Quadros.

Com alguma arrogância, Stamden (ou Winter) afirmou na época ao repórter Luís Nassif, da Veja, que seu sucesso era calculado, uma “fórmula para salvar a moeda brasileira, contendo as importações artísticas, assim como os Beatles levantaram a libra”.

Nada disso, naturalmente, aconteceu, mas Winter vendeu bem seu compacto e elepê de estréia, chegou a passar da pequena Beverly para a grande RCA com um polpudo advance e seu êxito (naturalmente também camuflado) empolgou algumas platéias inocentes da América Latina.

Se Winter apenas seguia velhos exemplos como o do saxofonista Bol Fleming (na realidade, Moacyr Silva), Prini Lorez (Jospe Gagliardi Jr.), Românticos de Cuba (uma orquestra com vários regentes: Severino Araújo, Lirio Panicalli, etc), ele também era o sintoma de uma crise.

Desempregados por vários motivos, inclusive por sua própria indigência musical, vários guitarristas, pilotos de sintetizadores, baixistas, organistas e bateristas jovens concordaram em trocar seus nomes, às vezes sucessivamente, servindo de escudo para fantasmas bem-sucedidos, que mais enriqueceram as gravadoras que seus verdadeiros solistas.

A penúltima dessas descobertas, também por Luís Nassif, da Veja, lhe valeu ameaças e um diálogo ríspido com o empresário do truque, o paulista Mário Bonfiglio.

O referido senhor indignou-se com a reportagem que estampava possíveis rostos do conjunto Light Reflections e garantia sua procedência paulista, além de levantar algumas identidades de autores brasileiros escondidos por detrás de pseudônimos estrangeiros.

Bonfiglio e o conjunto foram ao programa de Flávio Cavalcanti tentar desmentir a reportagem afirmando que os rostos da foto não lhe pertenciam, mas com suas presenças e seu correto português fluente, terminaram dando veracidade ao texto.

Daí em diante, e ainda hoje no atual programa Fantástico, da TV Globo, os Light, ao lado dos Pholhas, defendem-se, antes de qualquer acusação, com o clássico slogan de que “a música é universal”.

Pelo menos os protetores do fenômeno David MacLean são mais realistas e guardam a alma de seu negócio, argumentando que descoberto o segredo as vendas diminuem, como já aconteceu em diversos outros casos.

Domingos, da Hawaii, ajuda a tese com um argumento eloquente: “Outro dia uma moça ouviu London, London na minha loja e gostou muito. Aí, viu que era a Gal Costa que cantava. O vendedor, para dar maiores informações, disse que era uma música de Caetano Veloso. A moça devolveu o disco e pediu um de música estrangeira”.

(Publicado no jornal Folha da Manhã, de Porto Alegre, em 27 de março de 1974)

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here