Recordando o treinador Marajara

Por Simão Pessoa

Falecido em janeiro de 1976, o impagável Neném Prancha começou sua carreira como roupeiro do Botafogo e terminou sua vida como olheiro de futebol de praia. O ilustre cidadão era assim apelidado por conta das mãos de 23 centímetros e dos pés de número 44.

Embora não fosse jogador nem treinador, Neném Prancha era reconhecido como grande conhecedor de futebol. Mas não foi nem por sua sabedoria futebolística nem por suas estranhezas – nunca falava de seu passado e, embora fosse visto todos os dias na praia, jamais era visto no mar – que ele ficou célebre. Foi, na verdade, pelas frases irreverentes.

Neném Prancha foi o autor de sentenças que ficaram marcadas ao longo do tempo, como “se concentração ganhasse jogo, o time do presídio não perdia uma partida” ou “o goleiro deve andar sempre com a bola, mesmo quando vai dormir. Se tiver mulher, dorme abraçado com as duas”.

Ele ainda cravou frases do tipo “pênalti é uma coisa tão importante, que quem devia bater é o presidente do clube”, “se macumba ganhasse jogo, o campeonato baiano terminava sempre empatado”, “quem corre é a bola, senão era só fazer um time de batedores de carteira” e “bola tem que ser rasteira porque o couro vem da vaca e a vaca gosta de grama”.

Aqui na taba, o maior discípulo de Neném Prancha foi o índio piratapuia Marajara. Durante 40 anos – do início dos anos 60 ao final dos anos 80 –, Marajara fundou, organizou ou treinou mais de 50 times de futebol nos bairros da Cachoeirinha, Raiz, Petrópolis e São Francisco, tendo passado por suas mãos mais de 3 mil atletas.

Com um detalhe: ele só treinava crianças e adolescentes, nunca foi técnico de um time de adultos. E, a despeito das maledicências e lendas urbanas a seu respeito, nunca sentou em cadeira ocupada. Pelo contrário. Casou um monte de vezes e teve dezenas de amantes. Hoje, com mais de 70 anos, Marajara mora com mulher, filhos e netos no bairro da Alvorada.

Quando o conheci, Marajara morava em uma pequena tapera de palha nas imediações do campo do Penarol, em Petrópolis, e era dono do time do Canarinho, um dos adversários mais aguerridos do Sancolzinho, o time infanto-juvenil do famoso Sancol.

Diariamente, incluindo os dias de jogo, ele fazia uma reca de moleques – Ernani, Eraldo, Donga, Bordado, Ferrinho, Tobias, Irineu etc. – correr do campo do Penarol até o igarapé do Crespo, na Raiz. Chegando lá, os moleques se banhavam rapidamente no igarapé e voltavam correndo de volta para a sede do clube (a tapera do Marajara), onde recebiam uma caneca de mingau de banana verde.

Como o mingau era feito com o abominável “leite do posto” (os primeiros experimentos de leite de soja, testados no Terceiro Mundo por conta dos acordos MEC-Usaid), metade dos atletas era acometida de disenteria na mesma hora.

Para a gente, do Sancolzinho, que costumávamos enfrentar o Canarinho desfalcado de seus melhores atletas por conta do famoso mingau de banana verde, era uma mão na roda.

Homem de poucas luzes, quase analfabeto, extremamente simples, Marajara comprava os equipamentos dos times (jogo de camisas, calções e meiões) com seus próprios recursos. Nunca recebeu uma mísera ajuda oficial, mas também não se queixava disso.

Ele era apaixonado pela Seleção Brasileira de 1958 (que eu também considero a melhor de todos os tempos) e sua filosofia de jogo era baseada exclusivamente na tática implantada por Vicente Feola: ao atacar, abra os ponteiros, ao defender-se, congestione o meio fechando a cabeça da área. Se na criação o companheiro deslocar, deverá receber na feição, mas se outro pedir, é porque estará mais confiante ou melhor colocado.

Portanto, ataque em leque e defenda em funil, quem desloca recebe e quem pede tem preferência. Simples assim.

Com o passar do tempo, Marajara acabou por adaptar essa teoria para a cultura baré, reunindo algumas máximas de fácil entendimento para a molecada. Assim, antes de seu time entrar em campo, ele reunia a defesa em um canto e dava suas recomendações finais:

– O goleiro precisa ser igual a visgo de jaca em pé de curió: pegou, não larga mais. Os laterais têm que jogar igual para-brisa de carro: indo e vindo, indo e vindo. Os zagueiros têm que jogar que nem mandioca braba: plantado na área o tempo todo! O volante tem de jogar como quem tomou lacto-purga em jejum: tendo muito cuidado pra não fazer cagada! E não esqueçam que atacante inimigo é feito cabeça de prego: tem que levar porrada, até sumir da frente!

Depois que conversava com a defesa, Marajara se reunia com os atacantes:

– O armador tem que distribuir a bola igual a rabo de vaca: prum lado e pro outro, prum lado e pro outro! O ponta direita tem que ser igual navalha Solingen em mão de malandro: cortou pro meio, rasga em diagonal. O ponta esquerda tem que ser que nem preá no cio: só cruzando, só cruzando! O ponta de lança tem que jogar que nem espartilho de puta: apertando por trás e entrando pelas brechas. O centroavante tem que jogar igual calcinha em rabo de quenga: enfiadinho o tempo todo!

Depois da preleção com os atacantes, reunia o time inteiro:

– Não gosto de capitão de equipe calado. Ele tem de ser que nem cabrito entrando na faca: berrando o tempo todo! O jogo está amarrado no meio campo? Os laterais devem se adiantar pra fazer a tática do tatu com porco: cavar e fuçar, cavar e fuçar. Quando a gente estiver sendo atacado, arrecua o time inteiro. E na hora do ataque é que nem enterro de político: vai todo mundo!

Dadas as instruções finais, Marajara fazia todos os atletas se darem as mãos e rezarem um Pai Nosso – provavelmente pedindo a Deus para não serem goleados mais uma vez pelo implacável Sancolzinho.

Quando a partida terminava, tivesse seu time perdido ou não, Marajara reunia os garotos em sua própria residência e servia refresco de mangarataia com bolo de macaxeira, tudo custeado do próprio bolso.

Por sua dedicação ao futebol amador, o índio piratapuia bem que merecia uma estátua em praça pública.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here